Itália – 1980

Direção: Marino Girolami

O cinema exploitation italiano vive de cópias.

A ânsia pelas fórmulas de sucesso é tamanha que filmes inteiros eram SUGADOS antes mesmo que fossem lançados.

É o caso de Zombi Holocaust, cujo tema, trama e estilo são cópias do clássico de Lucio Fulci (exceto pela fantástica e formidável cena de luta entre um zumbi e um TUBARÃO).

A história começa em uma Nova Iorque da novela das 8 onde todos falam italiano. Partes de corpos começam a desaparecer misteriosamente em um hospital. As investigações levam a Dra. Lori Ridway (presente no filme para exibir os dotes de atriz PORNÔ) e o Dr. Peter Chandler a uma ilha asiática em busca de respostas.

Mortos com textura de PLÁSTICO. Há muitos.

O roteiro é tão DESCABIDO e desproporcional na tentativa de incorporar os dois temas mais populares da época (zumbis e canibais) que a história termina sem fazer nenhum sentido.

Apesar de ser uma cópia mal feita de Zombi, o filme tem detalhes de potencial FORMIDABILANTE!

Os canibais, mais presentes que os zumbis, aparentemente têm fome o tempo todo. Mesmo durante uma BATALHA eles não vão resistir a um inimigo morto e pararão para fazer uma boquinha. É como levar um saco de ROSQUINHAS para guerra e jogá-lo no campo de batalha a fim de assistir o inimigo ignorar os tiros para saciar a fome.

Redefinindo a expressão FURAR O OLHO

Outra curiosidade é que no mundo de Zombi Holocaust as pessoas parecem ser feitas de PAPEL. Em uma cena uma mão é decepada facilmente com uma FACA DE COZINHA. Em várias outras peitos são abertos e rasgados com uma única facada.

Só quando faltam 30 minutos para o fim é que a história revela o primeiro ZUMBI. TODOS ELES emitem o mesmo som. Sério, um único som, igualzinho, para todos. Eles não têm expressão e na maior parte do tempo se comportam como zumbis clássicos: andam desengonçadamente, de olhar fixo no além e não demonstram inteligência. Isso só muda quando recebem ordens do tipo “segure-o” quando instantaneamente adquirem inteligência podendo BRIGAR, manejar FACAS e manter REFÉNS.

Limpe o prato após a refeição

Durante seus 84 minutos de duração devem haver ao menos 10 cenas mostrando a NUDEZ de Alexandra Delli Colli em detalhes. É algo AGRADÁVEL a se ater, principalmente após a marca dos 20 minutos quando a trama deixa de fazer qualquer sentido.

A PÉROLA máxima, no entanto, não se encontra nas cenas de SEIOS DURINHOS e pelos pubianos DOIRADOS.

Dra. Lori Ridway pela e arreganhada pelada enésima vez

Faça-se este favor e concentre-se na SINCRONIZA som/imagem nas cenas onde há CLOSES de GRITOS.

Sério, é de LACRIMEJAR.

[rating:2]

Veja o trailer:

Zombi Holocaust

Categoria: CinelolDestaque
26

26 comentários

Deixe uma resposta